Topo
condominio

Conheça formas de manter a boa saúde financeira do seu condomínio

Você sabe como funcionam os condomínios? Conhece a forma de arrecadação e as dicas para manter uma saúde financeira? Como está o pagamento das taxas e prestações do prédio onde você vive? Saiba tudo isso e muito mais sobre condomínios e como funcionam suas estruturas financeiras.

Certamente, você que é corretor ou trabalha com imóveis, já deve ter entrado em contato com a organização de condomínios pelo menos uma vez na vida. A burocracia e responsabilidade que essa tarefa carrega pouco transparece a importância da sua existência.

Sem dúvidas o que seria a comodidade de se compartilhar os gastos do imóvel pode se tornar um incômodo. Isso acontece principalmente por causa de atrasos e inadimplências. Sobretudo, morar em coletividade requer compromissos. Tanto de comportamentos, onde entram as regras do condomínio, quanto responsabilidades financeiras, com as taxas a serem pagas para manutenção.

Como funcionam as taxas de condomínio?

Em primeiro lugar, o próprio nome taxa de condomínio já se torna auto explicativo. Basicamente, trata-se de um valor pago por todos os usuários de determinado prédio, ou ambiente de vivência, para que manutenções, reparos, pagamentos de funcionários, etc. Além disso, em algumas situações, a taxa de condomínio cobre também a utilização da água, luz e internet do imóvel.

Essa taxa é imprescindível para que o ambiente compartilhado esteja em condições de habitação. O valor que chega no final do mês corresponde a divisão do preço total gasto em todas essas atividades, por todos os moradores.

Em contrapartida, existem discussões sobre como realizar a divisão do pagamento das taxas entre os moradores. Enquanto alguns preferem que o valor seja fracionado por unidade, onde cada indivíduo pagará um preço referente ao seu imóvel, independente do tamanho. Outros indivíduos preferem a divisão por fração ideal, onde moradores de imóveis com espaço maiores ou privilegiados, pagam um valor mais alto.

Por que e como acontecem os atrasos e inadimplências no pagamento das taxas de condomínio?

Os condôminos enxergam essa taxa como uma das últimas prestações a serem pagas no mês. Isto acontece em regra, porque a multa pelo atraso é de apenas 2%. Resultando na estimulação o pagamento de outras contas como cartão de crédito, aluguel ou outras cotas que possuem multas em torno de 10% acrescidos ainda de juros e correção.
O atraso nas prestações condominiais afeta diretamente a saúde financeira do condomínio fazendo com que ocorra um aumento no valor das prestações. Este aumento é uma consequência e perpetua um sistema onde apenas os moradores que estão em dia arcam com as despesas de todos os demais.

Além disto, os moradores poderão, futuramente, pagar multas pelo atraso de algumas contas. Isso irá aumentar ainda mais os encargos financeiros a serem cobertos pelos condôminos.

Outro possível prejuízo do condomínio seria a falta de poder de investimento. Como há um déficit financeiro, não será viável investir em equipamentos de segurança, alternativas para redução do consumo de água e luz e investimentos em benefício aos próprios moradores.

Alternativas e dicas para manter a saúde financeira do condomínio em dia

Trouxemos algumas dicas para melhorar a saúde financeira do condomínio. Desde atualização de taxas, mudanças de regras ou alternativas para manutenção, a sua atuação como gestor de imobiliária ou corretor de imóveis poderá auxiliar um empreendimento a obter mais investimentos.

1. Fixar a multa pelo atraso em 10%

Poucos síndicos sabem, mas é possível elevar a multa pelo inadimplemento. Este valor, que atualmente é de 2%, pode ser aumentado para 10%. Todavia é necessário que os condôminos alterem a convenção do condomínio, sempre atentando para os quóruns necessários. Discuta com os moradores e tente encontrar um número que seja amigável e conveniente para todos. A fixação de multa de 10% foi recentemente julgada e aceita pelo STJ.

2. Criar taxas de uso

Uma das coisas que precisamos saber é que é perfeitamente legal a fixação de valores ou taxas para o uso de moradores nas áreas em comum. Você pode encarar como um abuso, mas cobrando essas taxas de uso para salões de festas, churrasqueiras ou saunas, será possível aumentar o fundo de investimentos e melhorar ainda mais a estrutura do prédio.

3. Restrições de uso aos inadimplentes

Outra regra que irá causar discussão é a restrição do uso de algumas áreas – como salões de festas, churrasqueiras, quadra de esportes – aos condôminos inadimplentes. Pode parecer injusto, mas será uma justificativa coerente para que os moradores tornem aquela taxa uma prioridade. Claro que pode acontecer problemas em relação ao mapeamento dos atrasos, por isso organize muito bem esses dados.

4. Assessoria nas cobranças

Manter o controle da inadimplência é fundamental. Principalmente para que os poucos inadimplentes não se multipliquem. Acompanhar de perto as cobranças é imprescindível para auxiliar o síndico nas tomadas de decisões. Hoje, existem escritórios de cobranças especializados em recolhimento desses pagamentos. Esses locais poderão auxiliar e tirar o síndico de algum sufoco.

Entenda o funcionamento das taxas de condomínio e venda mais

Percebeu o quão importante é conhecer como funciona um condomínio e por qual motivo é realizado o pagamento das taxas? Todas essas informações proporcionam para você, que trabalha dentro do ramo imobiliário, um acréscimo significativo de conhecimentos sobre a área.

Se você estiver lidando com um proprietário, por exemplo, entender o funcionamento do condomínio é extremamente importante na hora de definir valores e também de estabelecer parâmetros de vistoria. Esses parâmetros e valores, por sinal, também vão afetar sua relação com os inquilinos.

Entender quais serviços oferecidos pelo prédio geram o valor do condomínio e ser capaz de explicar isto para os seus clientes locatários é essencial. Existe uma grande diferença entre pagar um valor às cegas e pagar um valor que você entender no que está sendo aplicado.

Portanto, entender o funcionamento do condomínio e saber passar esse entendimento tanto para o proprietário quanto o inquilino é uma forma de ter mais controle nas negociações e demonstrar conhecimento e autoridade perante seus clientes.

Lembre-se: na hora de tomar uma decisão, o cliente certamente irá escolher aquele corretor de imóveis mais preparado e com mais conhecimento.

[Total: 1    Média: 5/5]