Outbound Marketing para imobiliárias: ainda vale a pena?


Tempo de Leitura: 10 minutos

Pensar em como comunicar e posicionar os seus imóveis é de suma importância. O outbound marketing imobiliário é uma das maneiras possíveis de alcançar esse objetivo.

Dizer que o marketing é essencial para o seu negócio imobiliário é chover no molhado. Porém, mais do que pensar em uma única estratégia, é preciso pensar em várias que atinjam seus clientes com eficácia.

Essas estratégias, no geral, vão se encaixar ou dentro do inbound ou do outbound marketing imobiliário.

Os tipos de marketing imobiliário

Podemos pensar em dois tipos principais de marketing imobiliário.

O primeiro é aquele que conhecemos como tradicional: o outbound marketing. Nele, tentamos atingir o público através de divulgação direta, ligações, propaganda na TV, placas de imóveis, etc.

Já a outra opção é tentar atrair os clientes através da criação de conteúdo rico. Nesse caso estamos trabalhando com inbound marketing, ou marketing de atração.

O inbound se tornou muito popular nos últimos anos (ou pelo menos mais popular que nunca). Isso aconteceu provavelmente por dois motivos:

  1. Ele permite que as empresas se comuniquem com os clientes de forma mais “orgânica”. Sem parecer tanto com uma propaganda;
  2. É um método consideravelmente mais barato, a longo prazo.

Mas isso significa que o outbound marketing imobiliário não vale a pena?

Os pontos fracos do outbound marketing imobiliário

Por um lado podemos pensar em responder à pergunta anterior com um “sim”. Então, antes de mais nada vamos pensar em motivos que corroboram com essa resposta.

Custo elevado

O outbound marketing costuma custar mais caro.

É só pensarmos em algumas das principais estratégias desse tipo de marketing como ligações, anúncios na televisão e outdoors, para verificar esse fato.

Na verdade, até mesmo se pensarmos em estratégias mais “simples” de outbound como as placas de imóveis e os ADs do Google ou do Facebook, também estamos falando de um investimento considerável.

Público pouco específico

Mais que isso, além do valor elevado, é difícil atingir o seu público ideal através do outbound marketing.

Em um primeiro momento, especialmente, pode ser difícil ver resultados satisfatórios. É comum que no começo das estratégias de outbound você não atinja o público desejado e acabe gastando mais do que gostaria.

Mas então por que você deveria investir nisso?

Ebook Guia de Fidelização de clientes para imobiliárias

Os pontos fortes do outbound marketing imobiliário

Os pontos negativos podem parecer muito negativos. Mas na verdade eles são apenas um indicativo de que essa não é uma técnica fácil.

O inbound marketing é conhecido por não trazer resultados a curto prazo. Por outro lado, temos aí um dos pontos positivos do outbound.

Traz resultados a curto prazo

Com o outbound você consegue divulgar imóveis de forma mais imediata. Isso pode ser especialmente interessante se você trabalha com locação, que é um modelo de negociação mais “ágil”.

Então, basicamente, você paga mais caro para ter um resultado mais rápido. Mas e o público genérico?

Bom, isso é relativo.

É possível aprimorar seu público

Sim, em um primeiro momento vai ser difícil atingir o público ideal com outbound marketing.

Porém, quanto mais tempo e dinheiro você investir, mais “correta” vai ser sua abordagem. Ou seja, com o tempo é possível aprimorar suas táticas e atingir um público cada vez mais preciso com as suas campanhas.

Vou dar um exemplo.

Atenção

Antes de qualquer coisa, vamos fazer uma pequena distinção, para evitar confusões. As campanhas em ADs online são frequentemente associadas com inbound marketing.

E, de fato, essa é uma ferramenta útil tanto para divulgar seus conteúdos como para atingir o público alvo em campanhas de remarketing, já no final do funil de negociação.

Contudo, para esse exemplo, vamos considerar uma campanha ativa de aquisição de clientes através do Google ADs.

Apesar de ser feita de maneira digital, esta ainda é uma maneira de obter clientes a partir de um público pouco conhecido. Além disso, trata-se de uma “propaganda” direta, que não podemos considerar como conteúdo.

Portanto podemos entendê-la como outbound.

Exemplo: Google ADS como estratégia de outbound marketing

Agora vamos lá!

Imagine que você decidiu fazer uma propaganda no Google ADS sobre um novo empreendimento que sua imobiliária está vendendo.

Você vai escolher imagens interessantes daquele imóvel, pensar em frases chamativas e uma chamada para ação (CTA) que você acredita vai atrair todos que enxergarem o seu anúncio.

Depois disso, você define um público, o mais específico que você conseguir, e um orçamento dentro da plataforma.

Por último você vai assistir o vídeo da Jetimob explicando como fazer esse tipo de anúncio, para ter certeza de que não esqueceu de fazer nada.

E aí vai começar a anunciar esperando os melhores resultados possíveis, o que pode até acontecer — mas é provável que não vá.

O tempo cura tudo

A sua primeira campanha provavelmente não vai ser bem sucedida por 2 motivos

  1. Você ainda está aprendendo que tipo de comunicação funciona melhor com seu público.

Isso vai ir melhorando conforme você for fazendo mais campanhas.

A cada campanha, você verá que uma comunicação mais agressiva traz mais ou menos resultado, que seu público gosta mais de ver fotos da fachada ou do interior do imóvel, etc.

O ideal, então, é que você comece suas campanhas com orçamentos mais tímidos. Conforme você vai entendo o que dá mais certo, o orçamento aumenta.

Veja bem: mesmo depois de mais confiante, você ainda vai cometer erros. Mas será menos comum.

2. O Google ainda está aprendendo quem, dentro do público que você definiu, vai gostar mais daquela propaganda.

Isso é o que chamamos de inteligência de máquina. Se você nunca trabalhou com o Google, ele ainda não tem certeza de como te ajudar.

Isso é modo de dizer, claro.

Você pode dar sorte e atingir muitas pessoas de primeira, mas não é regra. Na verdade, está mais para exceção.

Assim como o item anterior, isso vai melhorar a cada campanha que você faz. E mesmo assim você ainda vai ter alguns tropeços no meio do caminho.

Mas é claro que o Google ADs não é a única forma de outbound possível.

O outbound marketing imobiliário para além dos ADs

A ideia de trazer o Google como exemplo veio do baixo valor dessa ferramenta (e do Facebook ADs) quando comparada com as outras opções.

Mas como já falei brevemente no início do texto, existem várias formas de aplicar o outbound na sua imobiliária.

Ainda na ideia de fazer propaganda, é possível fazê-las na TV, no rádio e no jornal também. Consideravelmente mais caras, essas opções também trazem resultados mais difíceis de mensurar.

Elas possuem um alcance enorme, mas é difícil entender quem está consumindo aquela campanha. Mas não impossível, claro.

Uma emissora de TV é capaz de prever, com suas devidas limitações, os dados demográficos do seu público de acordo com cada programa. E o mesmo vale para a rádio e o jornal.

Também é possível atingir seu público através do patrocínio ou realização de eventos, impressão de mídia externa (flyers, outdoors) e até mesmo através das placas dos imóveis.

Além disso, uma das maneiras mais clássicas de aplicar o outbound marketing é através das ligações. Com a LGPD essa opção se torna mais complicada do que nunca.

A Lei Geral de Proteção de Dados tem regras muito específicas com relação a como obter o telefone dos seus clientes em potencial. Mais ainda, de quando você pode ou não entrar em contato com eles.

Por isso é importante entender bem sua aplicação e suas implicâncias na rotina da imobiliária.

CTA-branding-site-imobiliário

Como escolher o formato de oubtound marketing ideal

Não existe regra. Cada imobiliária atinge um público diferente e portanto deve ter uma estratégia de marketing única.

Para imobiliária pequenas, com pouco orçamento, os ADs online podem ser a única opção. Para imobiliárias de alto padrão propaganda na TV podem ter um grande impacto.

É um grande “depende” que vai exigir muita auto-análise e conhecimento de quem é o seu público-alvo.

Então, o outbound marketing imobiliário ainda vale a pena?

Está claro que, a depender do objetivo, absolutamente!

É impossível obter resultados tão rápidos com o inbound quanto é possível com o outbound. Mas é preciso entender bem qual o objetivo por trás de cada campanha.

Você verá que patrocinar um evento vai trazer resultados incríveis para a construção da sua marca, mas provavelmente não te fará vender muito mais imóveis.

Além disso, o mercado imobiliário tende a ter um “humor” bem diferente de cidade para cidade. O que funciona muito bem na capital pode não funcionar no interior e vice-versa.

Na verdade o humor parece mudar de imobiliária para imobiliária.

No final das contas é importante entender quem é seu público e o que você quer alcançar com cada ação de marketing.

Trabalhar o outbound junto com inbound marketing

Por fim, utilizar os dois métodos juntos pode ser a melhor estratégia possível.

Se o inbound consiste em criar conteúdos que atraiam os clientes e o outbound em atingi-los, por que não utilizar os conteúdos como forma de filtrar o público que vai receber as propagandas ativas?

É possível fazer isso com a criação de Landing Pages, reunindo informações sobre potenciais clientes em eventos, etc.

Portanto, seja como uma estratégia única ou como parte de uma estratégia maior, o outbound marketing imobiliário definitivamente ainda é relevante.

Por fim, utilizar os dois métodos juntos pode ser a melhor estratégia.

Se o inbound consiste em criar conteúdos que atraiam os clientes e o outbound em atingí-los, por que não utilizar os conteúdos como forma de filtrar o público que vai receber as propagandas ativas?

É possível fazer isso com a criação de Landing Pages (seja de empreendimentos ou do seu próprio negócio), reunindo informações sobre potenciais clientes em eventos, criando materiais (ebooks, manuais) úteis para seu público, etc.

Portanto, seja como uma estratégia única ou como parte de uma estratégia maior, o outbound marketing imobiliário definitivamente ainda é relevante.


Relacionados