IPCA: o Guia Atualizado da inflação e como ela pode dominar o mercado imobiliário [2022]

Os indicadores econômicos são elementos essenciais para o pleno funcionamento de diversos setores do país. No entanto, poucos são tão importantes e decisivos quanto o IPCA, principal termômetro da inflação no Brasil.

Aqui no blog Jetimob, nós já trouxemos uma série de artigos que explicam alguns dos principais índices econômicos do Brasil e qual a relação de cada um deles com o mercado imobiliário.

Falamos sobre a Selic, taxa básica de juros, sobre o IGP-M, inflação do aluguel e até mesmo sobre o INCC, que avalia os custos da construção civil.

Dessa vez, chegou a hora de explicar tudo sobre o indicador oficial da inflação no país, o IPCA.

O que é IPCA

IPCA é a sigla para Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. Ele é atualizado todos os meses pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O IPCA mede a variação de preços dos produtos e serviços que compõem a rotina de gastos de toda a população brasileira que possui renda de 1 a 40 salários mínimos.

Desde 1979, o IBGE utiliza o IPCA para avaliar o poder de compra da moeda brasileira.  Além disso, no início dos anos 2000, o Banco Central do Brasil (BCB) passou a adotar o IPCA como índice oficial de controle da inflação e deflação.

Como o IPCA é calculado?

Ainda que o resultado seja atualizado mensalmente, o IBGE realiza a pesquisa de preços diariamente, ou seja, do 1º ao 30º ou 31º dia de cada mês. O levantamento é feito com dados de estabelecimentos comerciais, concessionárias de serviços públicos, domicílios e prestadores de serviços.

Os produtos e serviços levados em conta na análise são divididos em 9 grupos, sendo eles:

  • Alimentação e bebidas
  • Habitação
  • Saúde e cuidados pessoais
  • Artigos de residência
  • Transportes
  • Comunicação
  • Despesas pessoais
  • Vestuário
  • Educação

Dessa forma, em maio o IPCA teve alta de 0,47%, no qual Vestuário e Transportes chamaram a atenção pelo aumento de abril para maio. 

Para ilustrar, confira abaixo a tabela de peso mensal utilizada como referência para o mês de maio de 2022.

Categoria Peso(%)
Alimentos e bebidas 0,48%
Transportes 1,34%
Habitação -1,70%
Saúde e cuidados pessoais 1,01%
Despesas pessoais 0,52%
Educação 0,04%
Comunicação 0,72%
Vestuário 2,11%
Artigos de residência 0,66%

Atualmente, a coleta de dados pelo IBGE é feita em 16 cidades do Brasil, que são:

  • São Paulo
  • Rio de Janeiro
  • Salvador
  • Belo Horizonte
  • Brasília
  • Recife
  • Fortaleza
  • Belém
  • Porto Alegre
  • Campo Grande
  • VItória
  • Aracaju
  • Curitiba
  • Goiânia
  • Rio Branco
  • São Luís

Todavia, assim como os grupos de produtos e serviços, cada região possui um peso diferente no cálculo do IPCA. 

Confira na tabela abaixo a atual estrutura de pesos regionais adotada pelo IBGE:

CIDADEPESO(%)
São Paulo32,3%
Rio de Janeiro9,4%
Salvador6,0%
Belo Horizonte9,7%
Brasília4,06%
Recife3,9%
Fortaleza3,2%
Belém3,9%
Porto Alegre8,6%
Campo Grande1,6%
Vitória1,9%
Aracaju1,0%
Curitiba8,1%
Goiânia4,2%
Rio Branco 0,5%
São Luís1,6%

Toda essa metodologia de ponderação aplicada pelo IBGE é feita com base na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF)

Essa pesquisa é realizada periodicamente pelo instituto para entender a composição e as mudanças dos hábitos de consumo da população brasileira. Sua última edição foi realizada entre os anos de 2017 e 2018.

Ebook Guia de Fidelização de clientes para imobiliárias

Para que serve o IPCA?

Ao longo deste texto, você vai entender que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo tem inúmeras funções em diversos setores da economia do país. No entanto, a sua principal utilidade é, sem dúvidas, representar o índice da inflação.

Com certeza você já ouviu falar nos noticiários sobre a alta da inflação. Em outras palavras, isso significa que houve um aumento no IPCA.

Com o seu monitoramento é possível entender as oscilações da inflação ao longo dos meses e se certificar que ela não ultrapasse a meta estipulada para o ano.

E é nesse ponto que nós precisamos falar sobre a Taxa Selic.

Qual a relação entre IPCA e a Taxa Selic?

Se você leu o nosso último artigo atualizado sobre a Taxa Selic, já sabe que ela é a taxa básica de juros da economia. 

É através dela que o Copom (Comitê de Política Monetária), órgão do Banco Central, garante que a inflação vai se manter na meta definida para o ano.

Como ocorre o controle da inflação?

Por ser o principal indicador de referência para as taxas de juros, a Taxa Selic tem papel fundamental como reguladora da inflação. 

Quando o IPCA aponta para uma alta excessiva da inflação, o Copom reajusta a Taxa Selic para cima. Dessa forma, as taxas de juros ficam mais altas, dificultando empréstimos, financiamentos e freando o consumo da população.

Com a diminuição da demanda, os preços tendem a cair e, consequentemente, ocorre a deflação. 

Do mesmo modo, a partir do momento que a inflação atinge um patamar mais seguro, o Banco Central reduz a Taxa Selic para estimular o consumo e aquecer a economia.

IPCA ou IGP-M nos contratos de aluguel?

Historicamente, o IGP-M (Índice Geral de Preços Mercado) sempre foi o indicador de referência mais adotado nos contratos de aluguel. Ainda que não tenha sido criado para essa finalidade.

Entretanto, com os efeitos avassaladores da pandemia de Covid-19 na economia brasileira, o IGP-M disparou de maneira incontrolável. Por exemplo, entre fevereiro de 2020 e fevereiro de 2021, o IGP-M se aproximou da marca histórica de 30%.

Com isso, tanto os locadores, quanto os locatários tiveram muitas dificuldades para chegar a um acordo sobre o reajuste dos aluguéis. 

Essa escalada do IGP-M também levou grandes empresas do mercado imobiliário a adotarem o IPCA como referência nos seus contratos de aluguel. 

Isso porque, além de manter um percentual mais justo em comparação ao IGP-M, o IPCA ilustra melhor os hábitos de consumo da população. 

Qual é o IPCA hoje?

De acordo com a última atualização do IBGE, publicada no dia 9 de junho de 2022, o IPCA valor do IPCA está em 0,47% para o mês de maio. 

Com isso, a taxa acumula alta de 4,78% em 2022.

Confira abaixo o calendário de divulgação do índice para os próximos meses. Mas lembre-se que o resultado publicado é referente ao mês anterior ao da publicação.

  • 08/07/2022 Referente a Jun/22
  • 09/08/2022 Referente a Jul/22
  • 09/09/2022 Referente a Ago/22
  • 11/10/2022 Referente a Set/22
  • 10/11/2022 Referente a Out/22
  • 09/12/2022 Referente a Nov/22
  • 10/01/2023 Referente a Dez/22

You've successfully subscribed to Jetimob Blog
Great! Next, complete checkout to get full access to all premium content.
Error! Could not sign up. invalid link.
Welcome back! You've successfully signed in.
Error! Could not sign in. Please try again.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Error! Stripe checkout failed.
Success! Your billing info is updated.
Error! Billing info update failed.