O que as imobiliárias podem aprender com o AirBnb


Tempo de Leitura: 6 minutos
O mercado mudou, sabia? Faz tempo e está mudando mais. Novas tecnologias proporcionaram modelos de negócio totalmente disruptivos. Veja os casos do Uber, Netflix e, nosso tópico aqui, o AirBnb. E não adianta ficar de “mimimi”, achando que é injusto, que vai tirar mercado de outros lugares (e vai!). O negócio é se adaptar e adaptar a sua empresa para competir melhor com estes novos formatos. O mercado imobiliário vem sofrendo quedas com a entrada de novas formas de aluguéis e de venda de imóveis. Hoje já é possível comprar um apartamento via app, alugar um imóvel todo decorado por tempo menor do que um contrato padrão de imobiliária e por valores até melhores.

O diferencial do AirBnb

A entrada do AirBnb causou um reboliço no mercado imobiliário e na rede hoteleira, pois permite que qualquer pessoa coloque seu imóvel para locação, a maioria deles mobiliado, com internet e outras facilidades. Se bobear, o novo “dono” entra com o café da manhã na mesa. O AirBnb é uma empresa americana, fundada em 2008, financiada por uma incubadora - uma startup, veja aqui. A plataforma propõe o aluguel por temporada, em diversas partes do mundo e em diferentes tipos de imóveis (tem até casa na árvore), com toda a verificação de segurança do dono do imóvel e de quem aplica para se hospedar. Além disso, também inclui um seguro para evitar prejuízos aos donos (fato que já ocorreu no passado). O site também permite que os hóspedes e os donos deixem comentários sobre a experiência para futuros interessados, e assim funciona uma empresa que faturou em 2016 mais de 3 bilhões de dólares. Ainda existe muita discussão sobre este novo mercado de serviços compartilhados e algumas leis estão precisando se adaptar a esta realidade. Mas uma coisa é certa: Não tem volta! O que mudou aqui foi a visão dos consumidores - usufruir sem possuir. A intenção inicial era focar em curta temporada para viajantes, mas a empresa já está focando em aluguel de longo prazo. Se posso alugar um apartamento sem muita burocracia, bem localizado, mobiliado e sem um compromisso longo porque vou arriscar um contrato cheio de burocracia por um período de 30 meses? Claro que o AirBnb não funciona para todos os públicos. Um casal de idosos dificilmente irá optar por ele. Mas pense em executivos que vão morar temporariamente num local, ou estudantes universitários, por exemplo. E sim, tem o outro lado. Como este inquilino irá lidar com pequenos reparos que seriam de responsabilidade do dono? E no caso dos condomínios, quem se responsabiliza? E o seguro de incêndio, está incluso? Estas questões ainda estão sendo revistas e são os pontos que trazem uma certa segurança em locar via imobiliária. Por enquanto. Pode apostar que logo surgirão serviços para lidar com isso.

Mas como isso afeta o mercado imobiliário?

Afeta de todas as formas. Novas plataformas vão surgir e outros modelos mais inovadores. Muito em função destas mudanças, o mercado imobiliário já está fazendo adaptações. Por exemplo:
  • Quando você imaginou que não haveria mais a figura do fiador para alugar um imóvel? Agora já existem seguros locatícios, alguns até online com apenas verificação de cartão de crédito
  • E quando você, dono de imobiliária, pensou que o próprio dono de imóvel iria “pagar” o seguro fiança para seu inquilino?
É, mudança dos tempos. Há previsões de que até 2025 a profissão de corretor de imóveis irá desaparecer. Todo o mercado imobiliário terá que repensar sua forma de fazer negócios, pois o comportamento do consumidor está mudando: novos formatos de trabalho. O desafio é entender as pessoas! Novos hábitos, novos valores e novas necessidades. Se antes a localização era um fato essencial, o trabalho remoto e o aumento de carros elétricos já está influenciando outros hábitos. Neste aspecto, se você tem uma imobiliária que atua em certos bairros mais centrais, porém de difícil acesso (trânsito, violência, etc), vai ter que suar duro para ter um portfólio mais abrangente. A opção de usar a realidade virtual já está diminuindo drasticamente a necessidade de visita a um imóvel, isso implica em menos gente para trabalhar na sua empresa, para fazer visitas e elaborar anúncios, por exemplo. O AirBnb é só começo. Aliás, o problema não O AirBnb. É a tecnologia por trás. O modelo de negócio. Outras plataformas já existem para aproximar o cliente do seu imóvel. Agilidade. Comodidade. Preço acessível. Sem intermediários.

O mercado imobiliário terá que se reinventar

Você, corretor, e você, dono de imobiliária, precisa inovar! A boa notícia é que toda mudança nos dá a chance de fazer melhor e diferente. Não estou falando de uma mudança enorme e total. Estou falando de algo bem simples (mas ainda assim, complexo) que é mais importante do que nunca - a experiência do cliente. O que vai manter você no mercado imobiliário, com ou sem AirBnb, é a sua capacidade de oferecer serviços diferenciados e um atendimento único. É sair da posição de um mero espectador, do marketing padrão e se posicionar como um “resolvedor de problemas” de fato. Qual o problema que estas novas tecnologias ainda não estão resolvendo? Quais os desafios do setor para os próximos anos e como você vai resolvê-los, agora? O que vai fazer um cliente optar por alugar ou comprar um imóvel com você e não direto com o proprietário? Que outras facilidades você poderia incluir no seu negócio para manter o relacionamento com seu cliente (aliás, você tem MESMO um relacionamento com eles?). Sugiro que você faça uma análise bem séria sobre seus passo para os próximos anos, se ainda quiser se manter no mercado. Defina onde você quer chegar e como irá se posicionar. Invista em tecnologia e profissionais que estejam abertos a mudanças constantes. Não tem jeito. É isso… Ou fechar as portas.

Relacionados