Uma das maiores dúvidas, tanto de quem está ingressando no mercado imobiliário, quanto de quem já trabalha no ramo, é se vale a pena ser um corretor de imóveis autônomo ou é melhor trabalhar para uma imobiliária. 

Então você finalizou o curso de TTI, concluiu o estágio obrigatório, tirou o CRECI e agora que se tornou oficialmente um corretor de imóveis não sabe qual caminho seguir?

Ou você já trabalha como corretor em uma imobiliária há algum tempo, mas continua se perguntando se valeria mais a pena investir na carreira de autônomo?

O fato é que essa dúvida é muito mais comum do que se imagina, seja entre os novatos ou até mesmo com os players mais experientes do mercado imobiliário. Por isso, neste texto eu vou te mostrar tudo o que você precisa saber sobre a carreira do corretor de imóveis autônomo.

O que faz um corretor de imóveis autônomo?

Em geral, os processos que envolvem as negociações imobiliárias não costumam variar muito. O diferencial do corretor de imóveis autônomo é que ele vai ser o único responsável por todas as etapas do negócio.

E quando eu digo todas, eu tô falando literalmente do início ao fim das atividades exigidas no mercado. Desde a captação de novos imóveis, intermédio nas negociações, visitas, prospecção de clientes, gerenciamento da carteira e rotinas contábeis, por exemplo. Tudo passa pelas mãos de uma só pessoa.

Por isso, é essencial que o corretor de imóveis autônomo seja uma pessoa dinâmica, proativa e muito bem organizada.

Isso porque, nesse contexto, o sucesso da empreitada depende exclusivamente da sua capacidade de lidar com todos esses processos.

Como se tornar um corretor de imóveis autônomo?

Antes de escolher qual percurso deseja trilhar na corretagem imobiliária, é preciso realizar os cursos e emitir as documentações necessárias para atuar no ramo. Então, se você quer saber o passo a passo inicial, recomendo que dê uma olhada em nossos outros posts sobre como se tornar um corretor de imóveis.

Agora, para quem já possui o registro do CRECI, a etapa seguinte é decidir se prefere atuar como pessoa física ou jurídica.

O corretor de imóveis autônomo que trabalha sem CNPJ está sujeito a cobrança do Imposto sobre Serviço (ISS), do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) e do recolhimento do INSS.

Já o corretor de imóveis que prefere emitir um CNPJ e atuar como pessoa jurídica, pode optar pelo imposto Simples Nacional, que é pago em uma guia única mensalmente e varia proporcionalmente ao faturamento anual.

Portanto cabe a você, corretor, realizar previamente um planejamento financeiro, com projeções e análises de faturamento, antes de fazer a escolha do método de atuação e por qual regime tributário irá optar.

Quanto ganha um corretor de imóveis autônomo?

Enfim, chegamos a um dos pontos mais importantes e influentes na tomada de decisão. A remuneração do corretor de imóveis autônomo está diretamente relacionada a sua performance, visto que somente uma pessoa será responsável por todo o funcionamento da engrenagem, desde a prospecção de novos clientes, até o fechamento do negócio.

As comissões de corretagem das transações imobiliárias são definidas pelo CRECI e variam conforme cada estado. Em linhas gerais, as porcentagens ficam em torno de 5 a 10% para operações de compra, venda e administração de condomínios. Nos casos de locação, a remuneração equivale ao valor do primeiro aluguel.

Vantagens de ser um corretor de imóveis autônomo

O exercício da profissão de corretor de imóveis autônomo certamente é bem desafiador e exige uma gama de habilidades complementares. Entretanto, as recompensas por todo esse esforço costumam ser bem atraentes e têm chamado a atenção de quem já opera no mercado imobiliário.

Horário flexível

Esse é um dos principais motivos por que alguns corretores de imóveis resolvem ser autônomos. Você pode organizar a sua própria agenda e isso pode ser uma coisa boa para quem não gosta de cumprir horários comerciais obrigatoriamente.

Vale ressaltar que ter um cronograma flexível pode ser um tiro no próprio pé se não for acompanhado de um bom planejamento.  Logo, fazer o registro correto dos seus compromissos é essencial para manter a sua produtividade em dia.

Local de trabalho adaptável

Depender somente de si mesmo também significa escolher onde trabalhar. Seja de casa, no escritório próprio ou em um coworking, o corretor autônomo tem liberdade para tocar o seu negócio do lugar que mais te agrada.

Valor integral da comissão

Se você já leu nosso post que diz tudo sobre quanto ganha um corretor de imóveis, sabe que a quantia recebida por cada negociação varia bastante entre corretores autônomos e vinculados à imobiliárias.

Aqueles que optam por atuar junto a uma imobiliária, comprometem-se em dividir a comissão recebida na transação, enquanto os que trabalham de forma autônoma ficam com o valor total para si.

Desvantagens de ser um corretor de imóveis autônomo

Como nem tudo na vida são flores, atuar como corretor de imóveis autônomo também tem seus pontos negativos e agora tá na hora de citar alguns deles.

Carteira de clientes limitada

Especialmente para os que ainda são iniciantes, empreender como autônomo desde o início da carreira pode ser uma tarefa bastante árdua.

Isso acontece porque iniciar um negócio com a carteira de clientes zerada é um desafio tremendo, que possivelmente vai exigir de você um esforço muito maior na captação de novos imóveis.

Falta de uma equipe de suporte

A essa altura do texto você já está ciente que o corretor autônomo é o único responsável por todas as ações que vão lhe gerar o faturamento no final do mês.

Isso significa que você terá de executar não só as atividades imobiliárias propriamente ditas, como também será o seu próprio setor de marketing, contabilidade e administração.

Então, é importante advertir que boa parte dos seus esforços diários serão concentrados nas tarefas de gestão, consequentemente reduzindo o período disponível para se dedicar às atividades imobiliárias.

Dominar parte burocrática

Ao se tornar um profissional autônomo você vai ter que se tornar íntimo da parte burocrática. É necessário estudar sobre legislação, finanças, elaboração e rescisão de contratos, além de diversos outros tópicos essenciais para se dar bem na administração do seu negócio.

Corretor de imóveis autônomo ou vinculado a uma imobiliária?

Depois de te explicar o que é, o que faz e quais os principais prós e contras de se tornar um corretor de imóveis autônomo, cabe a você analisar sua realidade e decidir se é mais vantajoso continuar trabalhando com imobiliárias ou se chegou a hora de seguir carreira solo.

Não existe uma única resposta certa para esse caso. É fundamental que você entenda o que faz mais sentido nesse momento da sua trajetória profissional.

Por um lado, as imobiliárias oferecem um suporte precioso para o corretor. Elas dispõem de uma carteira de clientes já preenchida, equipes responsáveis pela captação de imóveis, departamento de marketing, financeiro e afins.

Em muitos casos, sobretudo para os iniciantes, essas condições oferecidas são de extrema importância, pois elas permitem que o corretor possa focar exclusivamente no relacionamento com seus clientes e no fechamento de mais negócios ao longo do mês.

No entanto, isso também significa menos liberdade no método de atuação. Na maioria dos cenários o corretor deve seguir as regras e condições impostas pela imobiliária, com diversas limitações sobre quais imóveis pode ou não oferecer ao cliente, além de repartir a comissão recebida por cada negociação concluída.

Mas se você for uma pessoa que esbanja proatividade, organização e não vê problema em se aventurar por outras áreas como administração, marketing e empreendedorismo, talvez trabalhar de forma individual seja a melhor opção.

Logo, é comum que profissionais recém inseridos no mercado optem por atuar em imobiliárias, a fim de adquirir mais experiência, se ambientar com todos os processos burocráticos e construir aos poucos uma carteira de clientes ampla e consolidada.

Enquanto isso, quem decide empreender como corretor de imóveis autônomo normalmente já possui uma bagagem de conhecimento muito maior sobre o setor, além de um domínio das habilidades necessárias para se dar bem no mercado imobiliário.

4 dicas para ter sucesso como corretor de imóveis autônomo

Não tem nenhuma fórmula secreta para ser um corretor de imóveis autônomo de sucesso, porém existem etapas fundamentais para quem quer se dar bem nessa área de atuação.

1. Estude cada vez mais

Parece clichê falar que estudar é um ponto fundamental para o sucesso, mas nesse caso é impossível não destacar.

Lembre-se que uma das consequências de se lançar no mercado como corretor de imóveis autônomo é ter de lidar diariamente com atividades que normalmente não fazem parte das competências básicas da corretagem. Portanto, é essencial que você dedique boa parte do seu tempo para sempre aprimorar seus conhecimentos sobre as tarefas que você terá de executar.

Procure cursos, livros e outros materiais educativos sobre marketing (imobiliário, pessoal e digital), finanças, produtividade, empreendedorismo e etc. Se manter atualizado é crucial para continuar evoluindo e aumentando o seu market-share.

2. Tenha um planejamento eficiente

Organização é a palavra-chave da vida do corretor de imóveis autônomo. Conciliar a corretagem e as demais tarefas administrativas pode parecer um pesadelo para alguns. Mas com um planejamento bem elaborado o processo se torna muito mais eficiente.

Uma etapa vital é manter sua agenda sempre atualizada e detalhar minuciosamente cada compromisso marcado.

Construir um planejamento financeiro também é imprescindível. Como a remuneração na corretagem não é fixa, pode acontecer de em um mês você conseguir um ótimo faturamento e no seguinte não ter o mesmo desempenho. Por isso é importante criar uma reserva de emergência e ter total controle das entradas e saídas de cada mês.

Se você trabalha com locação de imóveis também vai precisar gerir todos os contratos, receber pagamentos dos locatários, realizar os repasses aos locadores, e claro, isso te demanda tempo e cautela no preenchimento dos detalhes.

3. Estabeleça metas

Não importa se serão diárias, semanais ou mensais, você é quem vai decidir quais fazem mais sentido no seu método de atuação. Definir metas garante que você permaneça motivado em concretizar suas vendas.

Como eu já te falei anteriormente no texto, o sucesso do corretor de imóveis autônomo é resultado da sua própria performance. E nesse contexto, as metas vão te ajudar a manter a dedicação em otimizar cada etapa do seu processo de vendas

4. Foco na execução

Agora que você já começou a rotina constante de estudos, elaborou um planejamento eficiente e estabeleceu as metas a serem batidas, só resta colocar todo esse conhecimento em prática.

Forneça um atendimento de excelência ao seu cliente. Aproveite a liberdade que trabalhar como autônomo lhe oferece e explore todas as oportunidades disponíveis. Fidelizar os clientes é essencial para todos os corretores, não só os autônomos. Mas não se esqueça que nesse caso o responsável pela prospecção de novos negócios também é responsabilidade sua.

Por isso você deve conduzir todas as negociações da melhor maneira possível, desde o primeiro contato até o pós-venda, pois essas atitudes serão responsáveis por expandir a sua carteira de clientes e garantir desde já possíveis vendas no futuro.

Ebook Guia de Fidelização de clientes para imobiliárias

[Total: 9   Average: 4.6/5]